sábado, 17 de janeiro de 2015

os execráveis


Podia ser um "case study" o exercício desta seita, que desde o princípio tem "transgredido" intencionalmente as regras. Com gosto, diga-se, e com uma boa dose de vingança como se detestassem os destinatários, transformando-os em alvos predilectos. Tratam-nos com desprezo sem propósitos como se fossemos um saco de boxe. De onde saíu tal argamassa de tão má qualidade? Execráveis que nem tecnicamente fazem bem a obra... dizem e desdizem sem se importarem com as obscenidades que põem em pratica. De onde foram eles regurgitados?

4 comentários:

500 disse...

A culpa é "minha", salvo seja, que neles não poderia, nunca, ter delegado o meu poder de cidadão para "me" tratarem e usarem como lhes tem aprouvido.

Rogerio G. V. Pereira disse...

O trágico, é que por fenómenos nunca explicados
voltarão a ser regurgitados
(há tanto que tal acontece...)

500 disse...

Rectifico: aprazido e não aprouvido.

jrd disse...

São tiradas à pressão, mas a cerveja sai mijona.